Minha experiência no Parque da Mônica

Inspirado pela campanha do Maurício de Sousa em manter o Parque da Mônica no twitter e na imprensa não tradicional, decidi aproveitar minha viagem a São Paulo nesse fim de semana para levar meus dois filhos lá, um de três meses e outro de dois anos e nove meses (Alexandre e Arthur). Devo dizer que fiquei profundamente impressionado com o que vi por lá. O Parque não é apenas uma excelente opção para divertir as criançar pequenas, de até uns 4 ou 5 anos de idade, mas também algo que foi pensado para incutir na mente das crianças os conceitos de educação e cidadania, e isso é muito legal.

Os chatos vão dizer que isso não é importante, que os brinquedos não são tão legais assim, mas me sinto bastante à vontade para falar do assunto, uma vez que trabalhei na Disney e me considero um dos muitos Disney Freak. O que as pessoas não entendem, pelo menos aqui no Brasil, é que um parque de diversões é muito mais do que apenas montanhas-russas: é uma experiência para a família. A Disney nunca teve os melhores brinquedos individualmente, mas foi um parque pensado desde o princípio para gerar uma sensação positiva nas famílias que visitavam o parque. Esse conceito se baseia num tripé que pude observar claramente no Parque da Mônica: valores morais, personagens carismáticos e mensagens subliminares nas atrações. As mensagens subliminares não são no mal sentido, como muita gente pensa, mas sim uma forma de reconhecer que os brinquedos trazem valores por trás da brincadeira, e isso é muito importante para a educação da criança.

Para entenderem o que estou dizendo, fiz um pequeno vídeo do meu filho se divertindo horrores na pista de corrida para o que ele chama de “bibi”:

[qik url=”http://qik.com/video/2438981″]

Tinha um outro brinquedo muito mais legal, que era uma espécie de carrinho bate-bate numa pista de verdade. O que achei mais legal foi a inclusão dos sinais reais de trânsito na pista, para que a criança aprenda desde pequena a respeitar as leis de trânsito.

O que mais gostei mesmo foi os escorregadores para as piscinas de bolinha. Antes de chegar ao “prêmio”, que era o escorregador, a criança tinha que vencer um desafio, como passar em uma pista de obstáculos ou um labirinto. Para o meu filho Arthur isso foi especialmente importante, porque ele tinha medo de andar naquelas redes de corda, e depois de ter vencido o primeiro desafio com auxílio da monitora, ele perdeu completamente o medo. Aliás, os monitores foram outro ponto alto: extremamente educados e atenciosos, e dedicando-se totalmente à diversão das crianças. A monitora que ajudou o meu filho nã0 pegou ele e simplesmente passou por cima da rede de cordas, mas ajudou ele a vencer o obstáculo. Num outro momento, tinha que entrar com o Arthur no brinquedo e a monitora se ofereceu para ficar com o Alexandre no colo, impedindo que ele chorasse e permitindo que o Arthur se divertisse ao máximo. Enfim, nota 10 para os monitores.

Sempre achei que a Turma da Mônica tinha o maior potencial para implementar uma experiência parecida com a Disney do Brasil, e depois de ter ido no Parque da Mônica com o meu filho tenho certeza absoluta disso. O que falta são algumas atrações para as crianças maiores, mas pelo que vi não tem espaço ali pra isso. Talvez a mudança seja até uma coisa boa para o parque, pois eles podem procurar um lugar maior e oferecer uma experiência mais completa para a família. Enfim, estou com o Marucío de Sousa e não abro: viva o Parque da Mônica!

Se você gostou desse post, deixe um comentário ou inscreva-se no feed RSS para ter todas os posts enviados para o seu agregador preferido.

Author Description

Eduardo Santos

Mestre em Computação Aplicada pela Universidade de Brasília (UnB), Tecnologista na Agência Espacial Brasileira, professor do Uniceub e cientista de dados (data scientist).

There are 4 comments. Add yours

  1. 11th August 2009 | Marcos Maciel says:
    Você apenas se esqueceu de falar da sua primeira experiência do Parque da Mônica. Senti falta!
  2. 11th August 2009 | Eduardo Santos says:
    Hahaha. Muito engraçado. Eu falei da minha experiência como pai no Parque. Viu o vídeo do seu afilhado que legal?
  3. 14th August 2009 | Marcos Maciel says:
    Vi sim! Fiquei impressionado com a velocidade dele!!!
  4. 14th August 2009 | Eduardo Santos says:
    Pois é. Ele já tá ficando um "expert" em dirigir esses carrinhos.

Leave a Reply

Twitter

Subscribe to Blog via Email

Enter your email address to subscribe to this blog and receive notifications of new posts by email.

Join 12 other subscribers

Alguns direitos reservados

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.